Are you the publisher? Claim or contact us about this channel


Embed this content in your HTML

Search

Report adult content:

click to rate:

Account: (login)

More Channels


Showcase


Channel Catalog


older | 1 | .... | 1009 | 1010 | (Page 1011) | 1012 | 1013 | .... | 1056 | newer

    0 0

    RIO — Um banquinho, um violão e uma canção brasileira marcaram o estouro de Tiago Nacarato, há um ano, no “The voice Portugal”. Com cordas bem dedilhadas e voz macia, se, firulas, o jovem português interpretou na TV “Onde anda você”, de Vinicius de Moraes e Toquinho, e fez as quatro cadeiras dos técnicos virarem no primeiro minuto.

    Não demorou para o vídeo cair na internet e viralizar pelo mundo. Os brasileiros, encantados, trataram de pedir shows na plataforma “Queremos!”, e agora o desejo se realiza: Nacarato faz sua primeira turnê nacional este mês, com apresentações em Belo Horizonte (MG), Fortaleza (CE), São Paulo e Rio de Janeiro. Por aqui, serão duas sessões, nesta quarta-feira (17), às 19h e 21h, no Theatro Net Rio, com ingressos praticamente esgotados.

    — Saber que cerca de duas mil pessoas de cada um desses lugares pediram para me ver cantar ao vivo me deixa muito confortável nessa minha estreia profissional no Brasil — afirma o cantor e compositor de 28 anos, que causou alvoroço na plateia do “Altas horas”, no último sábado, e é filho de brasileiros: — Tenho parentes em Uberlândia e no Rio, e vinha pelo menos uma vez por ano visitá-los. Mas desta vez está sendo diferente. Tiago Nacarato – “Onde Anda Você” | Prova Cega | The Voice Portugal

    Hospedado no Leblon, o rapaz logo foi reconhecido pelas ruas do bairro e posou para fotos. Não passou despercebido também no Andaraí, na Zona Norte, onde foi curtir o Samba do Trabalhador, semana passada.

    — Em Portugal, sou bastante assediado. Mais por ter aparecido na televisão do que pela minha beleza (risos). As pessoas querem me tocar porque se emocionaram com meu jeito de cantar — opina Nacarato, que não assiste à TV há pelo menos seis anos. — Só participei do “The voice” porque a produção me convidou. Se dependesse de mim, nunca me inscreveria. Não acredito que a música seja uma competição e que haja um vencedor. Cada indivíduo tem sua personalidade própria.

    No show em voz e violão, com duração média de 1h30, ele interpreta 15 músicas. Seis de sua autoria e outras tantas que são clássicos da MPB:

    — A música popular brasileira é a minha preferida. É muito rica em melodia, em harmonia... Uma escola! Tenho muita afinidade e amor pela cultura daqui.

    De cara com o ídolo

    nacarato-caetano.jpgNacarato se apaixonou pela MPB ainda criança, por influência do pai, que também é músico.

    — Meu trabalho reaviva minhas memórias musicais: Caetano Veloso, Djavan, Milton Nascimento, Elis Regina, Lulu Santos, Noel Rosa e Cartola me influenciam desde sempre — conta o rapaz, que tremeu ao conhecer Caetano pessoalmente. — Tive o privilégio de jantar com ele em Lisboa. Nunca tinha ficado tão nervoso na frente de alguém especial. E ele se mostrou afável, simples.

    Na última segunda-feira (15), o cantor gravou num estúdio do Jardim Botânico versões das músicas “Pensando em você”, de Paulinho Moska, e “Sol de inverno”, dele mesmo, com o carioca. Moska fará participação especial nos shows do português, no Rio.

    "Solteiríssimo” é como Nacarato se classifica no momento.

    — Como diz o famoso samba do Zeca, deixo a vida me levar... Se acontecer de encontrar uma brasileira, pode ser que eu não volte para Portugal — brinca o gajo, para depois emendar. — Sou apaixonado pelo Porto, minha cidade. E o Brasil é um bocado caótico. Não tenho ambições de morar aqui.

    Além da carreira solo, Nacarato integra a Orquestra Bamba Social.

    — Quero lançar meu primeiro álbum no primeiro trimestre do ano que vem — planeja.


    0 0

    Conteúdo exclusivo para assinantes, acesse no site do globo.

    0 0

    Conteúdo exclusivo para assinantes, acesse no site do globo.

    0 0

    O líder do Radiohead, Thom Yorke, lançou o single “Hands off the antarctic”. A trilha instrumental é fruto de uma parceria com a ONG Greenpeace em seus esforços para proteger o Oceano Antártico dos efeitos do aquecimento global e da interferência humana. Para o clipe, foram usadas imagens feitas pelo navio Arctic Sunrise, do Greenpeace, durante uma expedição de pesquisa nas águas do oceano.

    Links Thom Yorke

    Segundo Yorke, certos lugares do planeta "precisam permanecer crus e selvagens, e não ser destruídos pelas pegadas da humanidade". Em declaração, ele afirmou ser necessário frear a interferência humana na região.

    "Essa música é sobre parar a pesada e implacável marcha desses passos. A Antártida é uma verdadeira região selvagem e o que acontece lá afeta todos nós. Por isso precisamos protegê-la", disse, em nota.

    O músico vive um momento especial. Além de estar prestes a lançar o álbum "Suspiria", trilha sonora do filme homônimo — seu terceiro álbum em carreira solo e primeira trilha cinematográfica —, o Radiohead também foi indicado para ser introduzido ao Rock and Roll Hall of Fame em 2019.

    Clipe Thom Yorke


    0 0
  • 10/17/18--11:44: Atrações Rock in Rio 2019
  • RIO — O Rock in Rio volta ao Parque Olímpico do Rio de Janeiro, na Zona Oeste da cidade, em 2019 e já tem suas datas confirmadas — dias 27, 28 e 29 de setembro e 03, 04, 05 e 06 de outubro. Ainda não foi anunciado o início da venda de ingressos, mas quem quiser garantir a participação no festival poderá comprar o Rock in Rio Card no dia 12 de novembro deste ano, à partir das 19h, pelo site do ingresso.com.

    As primeiras atrações do palco Mundo já foram confirmadas, incluindo o retorno de velhos favoritos e algumas estreias no festival. Confira abaixo quem já tem presença garantida do Rock in Rio 2019: Links Rock in Rio

    04/10 (sexta-feira)

    Palco mundo

    Iron Maiden: Uma das maiores bandas de metal da história, o Iron Maiden já figurou na primeira edição do Rock in Rio, em 1985, e também no festival de 2013. Liderados pelo vocalista Bruce Dickinson, o baixista Steve Harris e o mascote Eddie, os britânicos fecham o dia do metal, que está de volta nesta edição.

    Scorpions: A banda fez sua estreia no país em 1985, com dois shows na primeira edição do Rock in Rio. Com mais de 50 anos de estrada, com clássicos como "Rock you like a hurricane" e a balada "Still loving You", os veteranos voltam ao palco do principal festival de música do país após mais de três décadas.

    Megadeth: Fazendo parte do chamado "Big 4" do thrash metal mundial (que conta ainda com Slayer, Metallica e Anthrax), a banda de Dave Mustaine tem, desde 2015, o brasileiro Kiko Loureiro como guitarrista.

    Sepultura: Banda de DNA brasileiro e figurinha carimbada em todas as edições recentes do Rock in Rio, o show do Sepultura é certeza de começar o dia do metal com o pé na porta.

    Espaço Favela

    Canto Cego: Nascida no Complexo da Maré, a banda de rock foi a primeira confirmada do novo Espaço Favela e canta o morro com um ritmo pesado.

    05/10 (sexta-feira)

    P!nk: Fechando o dia do pop cheio de estreias e estrelas, a cantora americana possui três grammys no currículo e já vendeu mais de 50 milhões de discos no mundo todo.

    Black Eyed Peas: A banda tem mais de 20 anos de estrada e muitos hits na carreira. Músicas como "I gotta feeling", "Where is the love" e "Pump it" prometem esquentar o penúltimo dia do festival.

    Anitta: Ausência muito sentida no Rock in Rio 2017, a cantora fez sucesso no palco mundo do Rock in Rio Lisboa em 2018 e é a artista brasileira mais popular do momento.

    Sem data

    Paralamas do Sucesso: A banda no festival, em dia não confirmado. Mais uma atração que participou da primeira edição do festivalm, em 1985, a banda foi convidada pessoalmente por Roberto Medina.


    0 0

    RIO — Depois de passar pela Casa França-Brasil em 2017, a Primavera Literária do Rio volta ao Museu da República para a sua 18ª edição. E o evento, que começa nesta quinta, dia 18, e vai até dia 21, promete colocar as mulheres no centro do debate.

    A feira anual organizada pela Liga Brasileira de Editoras (Libre) é o maior evento de editoras independentes do Rio e tem como marca a bibliodiversidade, abrindo espaço para que editoras de pequeno e médio porte divulguem seus catálogos ao público. Além de diversas ativididades, o evento dedicará, no domingo, a tenda central para discussões sobre empoderamento feminino.

    — A grande novidade deste ano é o espaço físico da feira. São mais de 100 atividades espalhadas entre os quatro dias de evento. A gente quer fazer da primavera uma experiência para o leitor, que ele se aproprie dela e aproveite o dia lá — conta Raquel Menezes, presidente da Libre.

    Links Primavera Literária

    A tenda central, palco do encontro entre mulheres para discutir seu empoderamento na literatura e no mundo, ganhou o nome “Faça amor, não faça guerra”, homenagem a um dos slogans dos protestos de maio de 1968. Em diversas mesas, serão debatidos temas como desigualdade racial, literatura erótica, o papel da mulher na literatura, etc. A escritora Conceição Evaristo participa da "Mulheres Negras na Literatura" junto da escritora cubana Teresa Cárdenas, às 11h30. Fechando as atividades da tenda, às 18h30, a vereadora e criadora da Furacão 2000, Verônica Costa, a antropóloga Adriana Facina e a DJ Ingrid Nepomuceno falam sobre o papel de destaque da mulher no funk.

    — A ideia é uma provocação a esse tempo tão horrível que a gente está vivendo no Brasil — diz Raquel.

    Além de Teresa Cárdenas, outras presenças internacionais também estão confirmadas. O francês Michel Collot vai estar na mesa "Poesia e Paisagem", na quinta-feira às 18h30, parte da programação da tenda central. No domingo, o escritor de livros infantis argentino Gusti Rosemffet participa, no espaço infantil, do bate-papo "Não Somos Anjinhos", às 18h.

    Entre outras atividades, os cineclubes Cine&Manas, MultiRio e Subúrbio em Transe irão exibir e debater filmes selecionados para a feira. Para o público infantil, foram preparadas atividades como contações de histórias, aulas e workshops de música, boxe, dança e ilustração. Também acontecerão bate-papos voltados para a família sobre comunicação não violenta e representação negra na literatura infantil.

    No sábado, músicos do bloco de carnaval “Cartola é do Catete” se apresentarão no coreto do palácio em comemoração aos 110 anos de nascimento do compositor.

    Confira a programação completa do evento:

    TENDA FAÇA AMOR, NÃO FAÇA GUERRA

    QUINTA 18/10

    10h - Primavera Convida Nespe

    Workshop: três ou quatro coisinhas sobre técnicas de escrita criativa

    Leandro Muller

    Flávia Iriarte

    14h - Ocupa Museu - Políticas Públicas e Direito à Memória

    Ana Paula Zaquieu

    Alvaro Marins Aline Montenegro

    15h30 - Reconstruindo as bibliotecas

    Andreia Rangel Verônica Lessa

    17h - Narrativas indígenas: produção cultural de resistência

    18h30 - Poesia e paisagem

    Michel Collot

    Masé Lemos

    Marcelo Reis de Melo

    SEXTA-FEIRA 19/10

    10h - Workshop: Life Coaching

    Claudia Guimarães

    11h30 - A Formação do Jornalista 2.0

    Agência ONZE - UVA

    14h - Primavera Convida: MultiRio

    Roda de Conversa sobre o livro Animação Brasileira: 100 filmes essenciais

    15h30 - Ativismo jovem

    Coletivo Papo Reto

    Slam das Minas

    Coletivo Ocupa Amaro

    17h - Linguagens poéticas e ativismo antidiscriminatório

    Ramon Nunes

    Mello Paulo Sabino

    Simone Mazzer

    18h30 - Até onde pode o judiciário?

    Ricardo Lísias

    Wadih Damous

    SÁBADO 20/10

    10h - Carreira de autor

    Alessandro Thomé

    Janda Montenegro

    Thássio Ferreira

    11h30 - Brasilidades

    Luis Antonio Simas

    Marcelo Moutinho

    14h - Tabu na literatura

    Andrea Viviana Taubman

    Alessandro Thomé

    Fátima Pacheco

    15h30 - Primavera convida: Quatro Cinco Um

    Raquel Menezes Antonio Freitas

    Mediação: Fernanda Diamant

    17h - 1968: 50 anos depois

    Ítalo Moriconi

    Angélica Müller

    Eduardo Jardim

    18h30 - Os diários na literatura

    Felipe Charbel

    Kelvin Falcão Klein

    DOMINGO 21/10

    10h - Mesa Mulheres no Poder

    Débora Thomé

    Hildete Pereira de Melo

    Glaucia Fraccaro

    Maria Claudia Badan Ribeiro

    11h30 - Mulheres Negras na Literatura

    Conceição Evaristo

    Paloma Franca Amorim

    Eliane Alves Cruz

    Teresa Cárdenas

    14h - Publique Sexo

    Bella Prudencio

    Ara Nogueira Seane Melo

    Camila Cabete

    Mediação: Cassia Carrenho

    15h30 - Reflete o feminino: por que o feminino importa

    Palmira Margarida

    Helena D’Aradia

    Mediação: Crib Tanaka

    17h Primavera Convida: Mulheres que Escrevem

    Escritas Híbridas

    Leticia Novaes

    Dara Bandeira

    Estela Rosa

    Mediação: Tais Bravo

    18h30 - Mulheres do Funk

    Verônica Costa

    Adriana Facina

    Taísa Machado

    Ingrid Neponucemo

    Mediação: Carol Rodriguez

    ESPAÇO INFANTIL

    QUINTA 18/10

    11h - Contação de histórias do livro "Um pra cada lado" e oficina de criatividade

    Luciana Rigueira

    14h - Oficina "Como nascem as histórias"

    Helena Lima

    15h - Conversa sobre o livro "Peixe de abril"

    Simone Mota

    SEXTA-FEIRA 19/10

    10h - Desafios da mediação da leitura literária hoje

    Cíntia Barreto

    11h - Palestra Oralidade e contos africanos: "Histórias de ouvir da África fabulosa"

    Carlos Alberto de Carvalho

    14h - Oficina de ilustrações do livro "Histórias de ouvir da África fabulosa"

    Fabio Maciel

    15h - Contação de história do livro "Como tudo começou – A primeira aventura da turma do planeta"

    Silvana Gontijo

    18h - Bate Papo livro: "Bordados"

    Projeto MANOS QUE CUENTAN/Peru-Brasil

    Rosana Reategui.

    SÁBADO 20/10

    10h - Belé Salsicha

    Contação de histórias + autógrafos

    Autora: Ana Sampaio

    Ilustração: Heitor Corrêa

    11h - É conversando que a gente se entende

    Bate papo sobre comunicação não violenta

    Julia Luz

    14h - Contação de histórias + sessão de autógrafos

    Os 2 porquinhos e meio

    Marta Lagarta

    16h - Representação negra na literatura infantil

    Cássia Vale

    Luciana Palmeira

    Kênia Maria

    Simone Motta

    Mediação: Ernesto Xavier

    17h - Biodanza para crianças + lançamento do livro "Biodanza - um caminho para o mundo biocêntrico"

    Beatriz Câmara e Julia Rodrigues

    Semente Editorial

    18h - Conversa sobre o livro "Tempo de brincar"

    Marilia Pirillo

    DOMINGO 21/10

    10h - Aulão de boxe infantil

    Professor Peppe

    (a partir de 12 anos)

    11h - Contação de histórias do livro "Um marido para Dona Baratinha"

    Autora: Dircéa Damasceno

    14h - Primavera convida: Clube de leitura Quindim

    Slam de ilustração

    15h - Contação de histórias Ana Clara das Vestes e Trio + lançamento do livro "Dois dinossauros e uma duna imensa"

    Ana Clara Vestes

    Ilustração: Camilo Martins

    Semente Editorial

    16h - #PapoComZero: uma campanha de diálogo inspirada no conto "A fuga do zero"

    Ana Luiza Novis

    17h - Conversa sobre o livro "A princesa maravilha ou de como uma ervilha incômoda provocou um final feliz"

    Cristina Villaça Editora Kimera

    18h - Bate-papo "Não somos anjinhos" + oficina

    Gusti Rosemffet

    ESPAÇO EDUCATIVO

    QUINTA 18/10

    Programação Especial "Dia do editor"

    10h - Panorama cenário do mercado editorial brasileiro

    Ismael Borges - Nielsen

    11h - Revolução 4.0 - Economia em rede

    Raissa Pena - Catarse

    Carolina Herszenhut – Aborda

    14h - Internacionalização e seus processos

    Bia Alves - HarperCollins

    15h - Painel Forma Certa

    15h30 - Workshop: "Como fazer para vender seu livro ainda em 2018"

    Bruno Mendes – Coisa de Livreiro

    17h - Pega na minha mão e vem

    Simei Jr. – Metabooks

    Camila Cabete – Kobo

    18h - O livro e o licenciamento

    Mariana Rolier - HarperCollins

    Sintia Mattar – Trevisan Mattar Consultoria Jurídica

    Eduardo Albano - Ubook

    Janaina Ávila Brasil - Produtora outrastorias

    Mediação Cassia Carrenho – Lab Pub

    SEXTA-FEIRA 19/10

    10h - Workshop: Autopublicação e pitch para autores independentes

    Plataforma Bibliomundi e palestrantes convidados

    11h30 - Oficina de escrita Oulipiana

    Ana de Alencar

    14h - Oficina de formação de contadores de histórias e mediadores de leitura

    Francisco Gregório

    15h30 - Mini Curso: como escrever boa ficção fantástica, sagas e trilogias

    Julio Algaze Mansour

    Ilmar Penna Marinho Júnior

    17h Literatura e Fantasia

    Juva Batella

    Miguel Conde

    18h30 - Marcos Legais para formar leitores

    Renata Costa

    Guilherme Relvas

    Francisco Gregório

    Mediação: Volnei Canônica

    SÁBADO 20/10

    10h - Primavera Convida: Puxadinho

    Carol Delgado

    14h - Pitch do livro: como seduzir editoras com o seu original

    Vagner Amaro

    Paula Cajaty

    Valéria Martins

    Michelle Strzoda

    16h - Primavera convida: Philos

    Oficina de escrita poética

    Thássio Ferreira

    17h - Primavera Convida: Agência ONZE - UVA

    Economia Criativa: As potencialidades do Rio como cidade criativa

    18h30 - Workshop: Vamos viajar? O que você precisa saber para se tornar um viajante

    Claudia Liechavicius

    DOMINGO 21/10

    10h - Literatura e Astrologia: alguns encontros

    Roberta Ferraz

    11h30 - O poder dos nutrientes

    Dr. Raimundo Santos

    14h - Oficina de autobiografia

    Tania Carvalho

    15h30 - Nuvens e Bigornas: a poesia de Hilda Machado e Yasmin Nigri

    Cide Piquet

    Yasmin Nigri

    17h - Bate Papo: "Carolina Maria de Jesus - uma biografia"biografia"

    Tom Farias

    ESPAÇO LANÇAMENTOS

    SEXTA-FEIRA 19/10

    15h - Arte dos contos

    Vários autores

    MultiRio e Secretaria Municipal de Educação

    16h - Marx e a História

    Gustavo Machado

    Editora Sundermann

    17h - Porque não escrevi nenhum de meus livros

    Marcel Bénabou

    Tradução: Ana de Alencar/Editora TABLA

    18h - Guardados no Coração

    Franciso Gregório

    Semente Editorial

    SÁBADO 20/10

    13h Itinerários

    Autor: Thássio Ferreira

    UFPR

    14h - Lançamento coletivo Ibis Libris

    Editora Ibis Libris

    15h - Caveiras

    Bate papo + autógrafos

    Autor: Victor Abdala

    Editora Evora

    16h - Não me toca seu boboca

    Autora: Andrea Viviana Taubman

    Ilustrações Thais Linhares

    Editora Aletria

    17h - Contos de encantar o céu

    Bate papo + autógrafos

    Autoras: Helena Lima, Ângela Leite de Souza e Ana Luiza Figueiredo

    Editora Lago de Histórias

    18h - Amores Desvalidos

    Autor: Rogério Athayde

    Editora Oficina Raquel

    DOMINGO 21/10

    15h - O som de um coração vazio

    Bate Papo + autógrafos

    Autora: Graciela Mayrink

    Editora Bambolê

    16h - Sebastian

    Autora: Bella Prudencio

    Editora Oficina Raquel

    17h - Lançamento coletivo de autores independentes

    18h - Sexo a três

    Autor: Vinni Corrêa

    Editora Jaguatirica

    CINEMA

    SEXTA-FEIRA 19/10

    11h às 17h - Ocupação cineclubista Cine&Manas

    SÁBADO 20/10

    11 ás 16h - Ocupação cineclubista MultiRio: Animação Brasileira - 100 filmes essenciais

    DOMINGO 21/10

    11h às 17h - Ocupação cineclubista Subúrbio em Transe

    CHAFARIZ - OCUPAÇÕES ARTÍSTICAS

    SEXTA-FEIRA 19/10

    19h - Slam das Minas

    SÁBADO 20/10

    15h - Palestra + prática de meditação transcendental

    Valéria Portugal

    Professor Aloísio Reis Nunes

    16h - Juventude-raiz: histórias do Norte brasileiro

    Leão Zagury

    Anatole Jelihovschi

    17h - 12º Festival de Poesia da Primavera Literária

    Realização: Ibis Libris

    18h - Cartola é do Catete

    DOMINGO 21/10

    16h30 - Poesia Ara Nogueira

    17h - Leitura dramatizada do livro "Sexo a três"

    Vinni Corrêa

    CORETO

    SÁBADO 20/10

    18h - Bloco de carnaval “Cartola é do Catete”


    0 0

    RIO — Garotos adolescentes que almejam ser Eric Clapton e Jimi Hendrix são, ao que parece, apenas metade do universo de guitarristas amadores. Um novo estudo divulgado nesta terça-feira pela fabricante de guitarras Fender mostra que as mulheres representam 50% de todos os músicos iniciantes e aspirantes a profissionais.

    Junto com uma empresa de consultoria, a Fender pesquisou uma amostra representativa de guitarristas nos EUA e no Reino Unido, acrescentando dados britânicos a uma pesquisa similar realizada na América do Norte há três anos, com os mesmos resultados.

    Na pesquisa, as mulheres emergiram como metade da base de clientes, embora a empresa não tenha divulgado os dados de gênero por idade nem outros dados demográficos. Essas descobertas levaram a empresa a buscar relacionamentos com artistas do sexo feminino, além de destacar mais mulheres em campanhas de marketing e repensar sua estratégia de divulgação em torno de um enorme público novo que antes ignorava. Isso incluiu, por exemplo, o lançamento, em 2016, de uma nova linha de guitarras focada nos millennials, com as bandas Warpaint e Bully, lideradas por mulheres. Guitarras outubro

    "O fato de 50% dos novos compradores de guitarra no Reino Unido serem mulheres foi uma surpresa para a equipe britânica, mas é idêntico ao fenômeno que está acontecendo nos EUA", disse o CEO da Fender, Andy Mooney, à revista "Rolling Stone". “Também havia o que as pessoas chamavam de 'efeito Taylor Swift', que fez muitos acreditarem que o número de 50% fosse algo circunstancial e apenas de curto prazo. Na verdade, não era. Taylor seguiu em frente, acho que tocando menos violão no palco do que no passado. Mas as mulheres jovens ainda estão correspondendo a 50% das novas vendas de guitarra. Então o fenômeno parece ter fôlego e parece estar acontecendo em todo o mundo.”

    O estudo da Fender também descobriu que 72% dos guitarristas costumam pegam uma guitarra pela primeira vez com o objetivo de desenvolver uma habilidade pessoal ou ganhar novos conhecimentos; 61% simplesmente querem aprender a tocar músicas sozinhos ou com amigos e familiares próximos, sem grandes ambições. E 42% dizem que veem o instrumento como parte de suas identidades.

    Tudo isso apesar de o rock estar caindo, cada vez mais, das paradas de sucesso, cedendo o lugar para gêneros mais recentes, como o hip-hop, o que sugere que a persistência da guitarra tenha muito a ver com seu valor para os indivíduos como uma ferramenta educacional e social, bem como de sua presença de palco.

    A Fender agora está tentando atrair aqueles entusiastas "silenciosos", que, Mooney supõe, já existem há algum tempo. "O advento do punk abriu uma abertura para a popularidade do instrumento", diz o executivo. “Era menos sobre virtuosismo e mais sobre diversão e auto-expressão. E acho que isso se aplica tanto a bandas quanto a pessoas que só queriam pegar o instrumento para tocá-lo do seu jeito, com suas habilidades específicas.”

    E, ainda que as vendas de guitarra tenham caído consideravelmente desde o auge do rock and roll — com notícias como o pedido de falência da Gibson no começo deste ano —, a empresa de pesquisa IBISWorld observa que a fabricação de guitarras americanas tem registrado um crescimento nos últimos anos, em uma curva ascendente. A IBISWorld calcula em 37,2% a fatia da Fender no mercado de violões e guitarras nos EUA, em 2017, o que a torna líder da indústria, à frente da Gibson (32,8%), CF Martin (10,9%) e Taylor Guitars (9,3%).


    0 0

    Conteúdo exclusivo para assinantes, acesse no site do globo.

    0 0

    RIO — Numa das extremidades das duas salas contíguas do casarão, um pequeno palco recebe os instrumentistas e se converte numa sala de concerto. Recém-inaugurada como espaço de música, a Casa Firjan (cuja programação é dedicada ao empreendedorismo e à inovação) recebe nesta quinta o Quinteto Villa-Lobos procurando ocupar uma lacuna no cenário carioca.

    — Nos últimos anos, a música perdeu espaço físico e simbólico no Rio — avalia João Guilherme Ripper, curador do espaço. — Você tem a Sala Cecília Meireles funcionando com grandes dificuldades, e o Teatro Municipal, dado seu tamanho, com mais dificuldades ainda. A Casa Firjan é um alento, uma lufada de ar fresco, de esperança, para que não percamos esse patrimônio imaterial que é a nossa música. Links música

    Moldura para concertos

    Ripper assina a curadoria da série “Concertos 2018”, inaugurada com Arthur Nestrovski e Lívia Nestrovski, em agosto, e que agora recebe o Quinteto Villa-Lobos. Leo Gandelman (22/11) e Orquestra Johann Sebastian Rio (6/12) estão entre as próximas atrações.

    — O conceito da programação foi realçar o olhar através da música, harmonizar os instrumentistas e o repertório com as linhas arquitetônicas neoclássicas da casa. Minha expectativa é que a casa seja uma moldura para os concertos — explica Ripper. — Há espaço para a música instrumental ou vocal que se encaixe num local que tem como característica o intimismo.

    No sábado, a Casa Firjan entra no circuito Música no Museu, que há 21 anos promove concertos em espaços como igrejas, palácios e bibliotecas — com curadoria de Sergio da Costa e Silva. A atração será Os Pequenos Mozart e Amadeus — grupo composto por crianças que se vestem com roupas da época do compositor.

    — É enorme a importância de um espaço como esse da Casa Firjan. A repercussão que isso tem tido no meio musical, tanto da parte dos profissionais quanto do público, é enorme. Isso mostra o quanto a música perdeu na cidade, por razões políticas e econômicas — diz Ripper.

    CONCERTOS 2018

    Onde: Casa Firjan — Rua Guilhermina Guinle 211, Botafogo (0800 0231 231).Quando: Quinta (18/10), às 19h30m: Quinteto Villa-Lobos (R$ 40). Sábado (20/10), às 17h: Os Pequenos Mozart e Amadeus (grátis). Classificação: Livre.


    0 0

    RIO - A série "Orange is the new black" vai terminar após sua próxima tempoarada — a sétima — que será exibida ano que vem pela Netflix. O elenco da série deu a notícia em um vídeo publicado nesta quarta-feira. A Netflix renovou a série, produzida pela Lionsgate, por três temporadas antes da estréia da quarta temporada, em 2016. Como parte do acordo, a showrunner da série, Jenji Kohan, permanecerá no posto até o final.

    "Depois de sete temporadas, é hora de ser libertada da prisão", disse Kohan. "Vou sentir falta de todas as mulheres malvadas de Litchfield e da incrível equipe com quem trabalhamos. Meu coração é laranja, mas fica preto nessa hora." Orange

    A série foi amplamente aclamada pela crítica ao longo de sua trajetória, recebendo várias indicações ao Emmy. O programa originalmente competiu na categoria de comédia antes de uma mudança de regra antes dos Emmys de 2015 exigirem uma mudança para a categoria de drama. Orange is the new black

    Embora a Netflix não divulgue informações de audiência, a Nielsen tentou calcular o público da série medindo os espectadores de streaming. Mais recentemente, ela informou que o primeiro episódio da sexta temporada atraiu uma audiência média de 5,4 milhões de telespectadores nos três primeiros dias.

    A comédia dramática acompanhou os detentas de Litchfield, boa parte delas transferida, na sexta temporada, para uma penitenciária de segurança máxima frequentemente mencionada na série.


    0 0

    RIO — Garotos adolescentes que almejam ser Eric Clapton e Jimi Hendrix são, ao que parece, apenas metade do universo de guitarristas amadores. Um novo estudo divulgado nesta terça-feira pela fabricante de guitarras Fender mostra que as mulheres representam 50% de todos os músicos iniciantes e aspirantes a profissionais.

    Junto com uma empresa de consultoria, a Fender pesquisou uma amostra representativa de guitarristas nos EUA e no Reino Unido, acrescentando dados britânicos a uma pesquisa similar realizada na América do Norte há três anos, com os mesmos resultados.

    Na pesquisa, as mulheres emergiram como metade da base de clientes, embora a empresa não tenha divulgado os dados de gênero por idade nem outros dados demográficos. Essas descobertas levaram a empresa a buscar relacionamentos com artistas do sexo feminino, além de destacar mais mulheres em campanhas de marketing e repensar sua estratégia de divulgação em torno de um enorme público novo que antes ignorava. Isso incluiu, por exemplo, o lançamento, em 2016, de uma nova linha de guitarras focada nos millennials, com as bandas Warpaint e Bully, lideradas por mulheres. Guitarras outubro

    "O fato de 50% dos novos compradores de guitarra no Reino Unido serem mulheres foi uma surpresa para a equipe britânica, mas é idêntico ao fenômeno que está acontecendo nos EUA", disse o CEO da Fender, Andy Mooney, à revista "Rolling Stone". “Também havia o que as pessoas chamavam de 'efeito Taylor Swift', que fez muitos acreditarem que o número de 50% fosse algo circunstancial e apenas de curto prazo. Na verdade, não era. Taylor seguiu em frente, acho que tocando menos violão no palco do que no passado. Mas as mulheres jovens ainda estão correspondendo a 50% das novas vendas de guitarra. Então o fenômeno parece ter fôlego e parece estar acontecendo em todo o mundo.”

    O estudo da Fender também descobriu que 72% dos guitarristas costumam pegam uma guitarra pela primeira vez com o objetivo de desenvolver uma habilidade pessoal ou ganhar novos conhecimentos; 61% simplesmente querem aprender a tocar músicas sozinhos ou com amigos e familiares próximos, sem grandes ambições. E 42% dizem que veem o instrumento como parte de suas identidades.

    Tudo isso apesar de o rock estar caindo, cada vez mais, das paradas de sucesso, cedendo o lugar para gêneros mais recentes, como o hip-hop, o que sugere que a persistência da guitarra tenha muito a ver com seu valor para os indivíduos como uma ferramenta educacional e social, bem como de sua presença de palco.

    A Fender agora está tentando atrair aqueles entusiastas "silenciosos", que, Mooney supõe, já existem há algum tempo. "O advento do punk abriu uma abertura para a popularidade do instrumento", diz o executivo. “Era menos sobre virtuosismo e mais sobre diversão e auto-expressão. E acho que isso se aplica tanto a bandas quanto a pessoas que só queriam pegar o instrumento para tocá-lo do seu jeito, com suas habilidades específicas.”

    E, ainda que as vendas de guitarra tenham caído consideravelmente desde o auge do rock and roll — com notícias como o pedido de falência da Gibson no começo deste ano —, a empresa de pesquisa IBISWorld observa que a fabricação de guitarras americanas tem registrado um crescimento nos últimos anos, em uma curva ascendente. A IBISWorld calcula em 37,2% a fatia da Fender no mercado de violões e guitarras nos EUA, em 2017, o que a torna líder da indústria, à frente da Gibson (32,8%), CF Martin (10,9%) e Taylor Guitars (9,3%).


    0 0

    RIO — Após sete anos de abandono, o Teatro Villa-Lobos, no Leme, voltará a abrir as portas. Ou melhor, as ruínas do Teatro Villa-Lobos. Fechado desde que pegou fogo, em 2011, o espaço servirá de cenário para “A única coisa que necessita uma grande atriz é uma grande obra e vontade de vencer”. Apresentada pela companhia mexicana Vaca 35 Teatro en Grupo, a peça é inspirada no clássico “As criadas”, de Jean Genet. E terá três apresentações, gratuitas, nos dias 26, 27 e 28.

    A ocupação do espaço faz parte da 9ª edição do Tempo Festival, uma das mostras internacionais de teatro mais importantes do Rio, que acontece de sexta (19/10) até o dia 28.

    — Nossa intenção é reforçar esse movimento de ocupação — diz Márcia Dias, uma das curadoras do festival, ao lado de Bia Junqueira e Cesar Augusto. — É uma forma de jogar luz sobre esse teatro para que a cidade perceba a importância dele. Estamos apostando que ele possa vir a ser restaurado e devolvido para a população, como aconteceu com os armazéns do Porto, por exemplo. O abandono do Teatro Villa-Lobos

    As ruínas do Villa-Lobos não são o único cenário inusitado do festival. A 500 metros dali, as areias de Copacabana vão virar cenário de performances a partir desta sexta. “A praia e o tempo” acontece no Posto 2, numa instalação criada pelo arquiteto e artista carioca Pedro Varella, uma área de 900 m², onde bancos de areia foram formados com uma retroescavadeira. Também gratuito, o espetáculo é encenado pela coreógrafa francesa Julie Desprairies.

    Nove países envolvidos

    “A praia e o tempo” reflete sobre a incerteza do presente, enquanto “A única coisa que necessita uma grande atriz é uma grande obra e vontade de vencer” aponta para o teatro como única saída possível.

    — Queremos refletir sobre a fragilidade da cena cultural carioca — explica Márcia. — Estamos cada vez mais nesse território da instabilidade, sem saber para onde estamos indo. Precisamos ter esse diálogo com a cidade, chamar as pessoas para viver essa experiência.

    Com participantes de nove países (Brasil, França, Uruguai, México, Colômbia, Polônia, Croácia, Suíça e Alemanha), o festival terá também residências artísticas e atividades de formação. Uma das principais parcerias internacionais é o Studio Cabaret Voltaire, inspirado na casa homônima de Zurique, na Suíça, que foi berço do movimento dadaísta nos anos 1920. Nesse projeto, artistas do Rio, de Minas e de São Paulo, além de dois suíços, vão apresentar performances que dialogam entre si no teatro, na varanda e no café do Oi Futuro.

    A busca de colaboradores estrangeiros foi uma das soluções para garantir a realização do festival, já que as verbas públicas e os patrocínios para cultura andam escassos.

    — Nossa curadoria deste ano tem como mote a palavra “presente” — conta Cesar. — Queremos resistir e persistir com os nossos ideais. Temos de enfrentar as dificuldades olhando para o que está acontecendo agora e ocupando a cidade.

    Confira programação completa

    Praia de Copacabana

    "A praia e o tempo"

    Endereço: Posto 2

    De 19 a 28 de outubro

    Horários: Dia 19, às 21h / Sábados e Domingos, às 16h / Segunda a Sexta, às 19h

    Entrada Gratuita

    Classificação Indicativa: Livre

    EAV Parque Lage

    "Cavemusic"

    Endereço: Rua Jardim Botânico, 414 - Jardim Botânico

    Telefone: (21) 3081-0092

    Capacidade: 38 lugares

    Dia: 20 de outubro

    Horário: 23h

    Duração: 7h

    Entrada Gratuita

    Confirmação prévia – através do e-mail: cavemusic@tempofestival.com.br

    Classificação Indicativa: 16 anos

    Oi Futuro

    "A ira de Narciso"

    Endereço: Rua Dois de Dezembro, 63 - Flamengo

    Telefone: (21) 3131-3060

    Capacidade: 62 lugares

    Dias: 20 e 21 de outubro

    Horário: 20h

    Duração: 100 minutos

    Valor: R$30,00 (inteira) | R$15,00 (meia)

    Venda online: https://www.ticketplanet.com.br/marcas/oi-futuro

    Classificação indicativa: 18 anos

    "Studio Cabaret Voltaire"

    Endereço: Rua Dois de Dezembro, 63 - Flamengo

    Telefone: (21) 3131-3060

    Capacidade: 62 lugares

    Dias: 26 e 27 de outubro

    Horário: 19h

    Duração: 4h

    Valor: R$ 30,00 (inteira) | R$ 15,00 (meia)

    Venda online: https://www.ticketplanet.com.br/marcas/oi-futuro

    Classificação indicativa: 18 anos

    "Encontro com Adrian Notz"

    Endereço: Rua Dois de Dezembro, 63 – Flamengo

    Telefone: (21) 3131-3060

    Capacidade: 62 lugares

    Dia: 27 de outubro

    Horário: 17h

    Entrada Gratuita – distribuição de senhas 1 hora antes

    Classificação Indicativa: 16 anos

    Casa Firjan

    Conferência: "Internacionalização de projetos artísticos e culturais"

    Endereço: Rua Guilhermina Guinle, 211 – Botafogo

    Telefone: (21) 4002-0231

    Capacidade: 240 lugares

    Dia: 22 de outubro

    Horário: 19h

    Duração: 3h

    Entrada Gratuita

    Confirmação prévia – através do e-mail: rsvp@tempofestival.com.br

    Classificação Indicativa: 16 anos

    Oficina: "Internacionalização de projetos artísticos e culturais"

    Endereço: Rua Guilhermina Guinle, 211 – Botafogo

    Telefone: (21) 4002-0231

    Capacidade: 20 lugares

    De 23 a 27 de outubro

    Horário: 10h

    Duração: 4h por dia

    Entrada Gratuita

    Inscrições prévias através do www.tempofestival.com.br

    Classificação Indicativa: 16 anos

    SESC Copacabana

    'As flores do mal ou a celebração da violência"

    Endereço: Rua Domingos Ferreira, 160 - Copacabana

    Telefone: (21) 2548-1088

    Capacidade: 150 lugares

    Dia: 23 de outubro

    Horário: 20h

    Duração: 55 minutos

    Valor: R$ 7,50 (Associado do Sesc) / R$ 30 (inteira) / R$15 (meia)

    Funcionamento da Bilheteria: Segundas – de 9h às 16h; Terças a Sextas – de 9h às 21h; Sábados – de 13h às 21h; Domingos – de 13h às 20h.

    Classificação Indicativa: 16 anos

    Sede das Cias

    Residência artística - Anna Karasinska

    Endereço: Rua Manuel Carneiro 12, Lapa (Escadaria Selarón)

    Capacidade: 60 lugares

    Dia: 24 de outubro

    Horário: 20h

    Entrada Gratuita – distribuição de senhas 1 hora antes

    Classificação Indicativa: 16 anos

    Espaço Cultural Municipal Sérgio Porto

    "Ato e efeito"

    Endereço: Rua Humaitá, 163 - Humaitá

    Telefone: (21) 2535-3846

    Capacidade: 35 lugares

    Dias: 25, 26, 27 e 28 de outubro

    Horário: 18h (Exibição em looping)

    Entrada Gratuita

    Classificação indicativa: 16 anos

    "Painel Iberescena"

    Endereço: Rua Humaitá, 163 - Humaitá

    Telefone: (21) 2535-3846

    Capacidade: 20 lugares

    Dia: 25 de outubro

    Horário: 18h

    Duração: 90 minutos

    Entrada Gratuita – distribuição de senhas 1 hora antes

    Classificação indicativa: 16 anos

    "Kassandra"

    Espaço Cultural Municipal Sérgio Porto (Teatro)

    Endereço: Rua Humaitá, 163 - Humaitá

    Telefone: (21) 2535-3846

    Capacidade: 98 lugares

    Dias: 25 e 26 de outubro

    Horário: 20h

    Duração: 60 minutos

    Valor: R$30,00 (inteira) / R$15,00 (meia)

    Funcionamento – Bilheteria: quinta a segunda, das 17h às 21h.

    Classificação Indicativa: 16 anos

    "Três maneiras de tocar no assunto"

    Endereço: Rua Humaitá, 163 - Humaitá

    Telefone: (21) 2535-3846

    Capacidade: 20 lugares

    Dia: 27 de outubro

    Horário: 19h

    Duração: 50 minutos

    Entrada Gratuita – distribuição de senhas 1 hora antes

    Classificação indicativa: 16 anos

    "Vácuo"

    Endereço: Rua Humaitá, 163 - Humaitá

    Telefone: (21) 2535-3846

    Capacidade: 98 lugares

    Dia: 27 de outubro

    Horário: 20h30

    Duração: 45 minutos

    Entrada Gratuita – distribuição de senhas 1 hora antes

    Classificação Indicativa: 16 anos

    "Versão demo"

    Espaço Cultural Municipal Sérgio Porto (Teatro)

    Endereço: Rua Humaitá, 163 - Humaitá

    Telefone: (21) 2535-3846

    Capacidade: 98 lugares

    Dia: 28 de outubro

    Horário: 17h

    Duração: 70 minutos

    Entrada Gratuita – distribuição de senhas 1 hora antes

    Classificação Indicativa: 16 anos

    Teatro Villa-Lobos

    "A única coisa que necessita uma grande atriz é uma grande obra e vontade de vencer"

    Endereço: Avenida Princesa Isabel, 440 - Copacabana

    Capacidade: 50 lugares

    Dias: 26, 27 e 28 de outubro

    Horários: 21h (dias 26 e 27), 17h (dia 28)

    Duração: 50 minutos

    Entrada Gratuita – distribuição de senhas 1 hora antes

    Classificação Indicativa: 16 anos


    0 0

    RIO — O diretor Woody Allen ganhou mais um defensor em relação as acusações de abuso sexual que recaem sobre ele. Durante uma masterclass no festival de cinema Lumière, em Lyon, na França, o ator espanhol Javier Bardem defendeu que o diretor nunca foi condenado por nenhum crime e que voltaria a trabalhar com ele "amanhã", caso fosse convidado.

    Javier Bardem Allen Links

    Após se referir a Allen como "gênio", Bardem disse que o status legal do diretor não mudou desde que trabalharam juntos em 2007, no filme "Vicky Cristina Barcelona".

    "Hoje, 11 anos depois, ainda é a mesma acusação. Acusações públicas são muito perigosas. Se um dia acontecer um julgamento e for provado que é verdade, eu mudo minha opinião. mas, no momento, nada mudou", afirmou o ator, aplaudido em seguida pela plateia.

    Woody Allen é acusado de ter abusado sexualmente de Dylan Farrow, filha adotiva do diretor e da atriz Mia Farrow, em 1992, quando a menina tinha apenas sete anos. Allen sempre negou as acusações, que foram investigadas pela polícia e não têm conclusão definitiva. Com o surgimento do movimento #MeToo, a história voltou aos holofotes.


    0 0

    RIO - Depois do sucesso de "La casa de papel", mais uma produção espanhola conquista o público ao redor do mundo: menos de duas semanas após sua estreia na Netflix, a série adolescente "Elite" terá uma segunda temporada, como confirmou o canal de streaming em suas redes sociais. Lançada mundialmente em 5 de outubro, com críticas positivas na Espanha e no exterior, a primeira temporada de "Elite" tem oito episódios. A segunda está prevista para 2019.

    Criada por Carlos Montero e Dario Madrona, "Elite" é a segunda série original da Netflix na Espanha, depois do melodrama romântico “As telefonistas”, lançado em 2017 e agora renovado para a 4ª Temporada. A série é ambientada no Colégio Las Encinas, reduto da classe alta espanhola, para onde três alunos de origem mais humilde são enviados após um terremoto ter destruído sua antiga escola. Os contrastes entre os mais e menos abastados desencadeia uma escalada de confrontos, que culmina em um assassinato. Saiba mais sobre as séries espanholas

    No elenco estão nomes como María Pedraza (a Alison Parker de "La casa de papel"), Miguel Herrán e Jaime Lorente (respectivamente Rio e Denver na mesma série), além de Itzan Escamilla, que já participou de "As telefonistas". Escamilla é Samuel, um dos três alunos de baixa renda que ganham bolsas de estudo em Las Encinas, numa tentativa de compensar o erro da construtora da escola onde estudavam. Mas logo nas primeiras cenas, o espectador descobre que a investigação da morte dentro do colégio de elite é que vai nortear os capítulos.

    Transferidos com Samuel para a nova escola vão a palestina Nadia (Mina El Hammani), que irá enfrentar o preconceito de ser obrigada a tirar o lenço muçulmano da cabeça para assistir aulas, e Christian (Herrán). Há outras tramas, como a do irmão de Nadia, Omar (vivido pelo estreante Omar Ayuso), que tem dificuldades para aceitar a própria sexualidade em um caso amoroso com Ander (Aron Piper).

    Com tramas envolvendo problemas do universo jovem - o que inclui drogas e corrupção de famílias ricas para se "manter no poder", além da aceitação de sua orientação sexual -, Elite segue a linha de séries como Gossip Girl e The O.C..


    0 0

    RIO — Desde que a obra "Garota com balão", do misterioso artista Banksy, virou "O amor está no lixo" após se autodestruir sob os olhares de compradores durante um leilão na Sotheby's de Londres, houve quem questionasse se a ação não teria sido combinada entre a casa de leilões e o artista. Alex Branczik, diretor de arte contemporânea da Sotheby’s na Europa, falou ontem pela primeira vez, em entrevista à publicação "The Art Newspaper", sobre o caso.

    Links Banksy

    Uma das questões que levantou suspeita foi a exigência por parte da vendedora, supostamente uma pessoa próxima a Bansky, de que a peça fosse leiloada em uma venda noturna, evento nobre no qual são colocados os trabalhos mais cobiçados. Além disso, ela deveria ficar exposta no salão. Mesmo essas condições não foram o suficiente para que Branczik suspeitasse de alguma coisa.

    "As pessoas costumam dizer 'só vou te dar isso se você colocar em uma venda noturna'. E também há pessoas que querem seu trabalho pendurado na sala porque acreditam que os compradores dão mais lances desta forma. E é isso o que nos foi dito", afirmou.

    Baixo valor e moldura suspeita

    Outra suspeita surgiu em relação ao baixo valor inicial, que ficou entre 200 mil e 300 mil libras, o que teria garantido uma plateia maior para observar a peça enquanto ela era sugada para um triturador. Quando questionados por um possível comprador, a Sotheby's afirmou ser "um presente do consignador" e por isso "ficariam felizes com qualquer quantia".

    Ninguém teria notado, também, a espessura suspeita da moldura? Segundo Branzcik, a casa entrou em contato com a Pest Control, empresa responsável por autenticar obras criadas por Banksy, sobre a possibilidade de remover a moldura. O pedido foi negado.

    "A Pest Control deixou bem claro: a moldura era inseparável da arte, o que de fato era, mas não da forma como pensávamos. Também pedimos para um conservador externo olhar a peça", contou.

    Sobre o profissional não ter notado a fenda na parte de baixo da moldura, completou:

    "Você fala sobre o que você vê. Parecia mais uma escultura. Se foi dito que a moldura era inseparável da peça, você não a destrói".

    O leiloeiro da noite, Oliver Barker, destacou para a publicação que Banksy costuma usar molduras deformes em suas peças, e que isso "faz parte da piada".

    "A acusação de que fomos negligentes com a forma de catalogar essa peça não se sustenta. Fizemos de tudo. Vamos questionar esse tipo de moldura no futuro? Com certeza", disparou.


    0 0

    RIO — As manifestações de Roger Waters contra Jair Bolsonaro durante os shows de sua turnê no Brasil, que causaram protestos do público em São Paulo, ganharam um tom de tributo em Salvador. No show desta quarta-feira na capital baiana, Waters prestou homenagem a Moa do Katendê, artista e capoeirista morto após uma discussão política, na madrugada após o primeiro turno da eleição.

    — Eu queria parar por um momento para lembrar um dos seus — disse Waters, claramente emocionado. — Mestre Moa, como vocês sabem, foi brutalmente assassinado em meio às suas eleições presidencias. Ele era um grande exemplo para todos nós sobre como espalhar o amor e empatia.

    Instagram Roger WatersO público respondeu em coro quase uníssono, gritando o "#elenão" que se tornou marca dos opositores da candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) à presidência. O bordão foi repetido em vários outros momentos da apresentação.

    Canção inédita ao vivo

    Em outra mudança de roteiro, Waters incluiu no repertório do show de Salvador a música "Two suns in the sunset". A canção fecha o álbum "The final cut", de 1983, último do Pink Floyd a contar com a participação de Waters, e nunca havia sido apresentada ao vivo.

    "Two suns in the sunset" substituiu "Mother", no bis. Logo na sequência, Waters terminou o show com a apoteótica "Comfortably numb", como nas outras apresentações da turnê.

    Links Turnê Roger WatersA hashtag #EleNão não foi exibida no telão, como no primeiro show da turnê "Us + Them", em São Paulo. Mas Waters manteve um dos pontos mais polêmicos da apresentação no intervalo, quando exibiu o nome de Bolsonaro na lista de neofascistas que comandam ou podem comandar grandes nações, ao lado da mensagem "ponto de vista político censurado".

    O espetáculo durou mais de duas horas. No final da primeira parte, ao som de "Another Brick in the Wall Part 2", subiram ao palco 12 crianças do Projeto Axé, que atua na área de educação e defesa de direitos de crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social em Salvador.

    No Rio, onde toca no próximo dia 24 de outubro, o mesmo papel ficará a cargo de doze crianças e adolescentes, de 10 a 15 anos, atendidas pela Associação Beneficente São Martinho.

    Da capital baiana, o artista vai para Belo Horizonte, onde se apresenta no próximo domingo. Após o Rio, Waters ainda fará shows em Curitiba e Porto Alegre. Ele já tocou em São Paulo e em Brasília.


    0 0

    DUBAI — Uma gigantesca feira literária criada na Malásia fará sua primeira parada no Oriente Médio, a partir desta quinta-feira. Ocupando um enorme hangar em Dubai, aberto 24 horas por dia, a Big Bad Wolf ("Lobo Mau", em inglês) se fiz a "maior feira literária do mundo", com estandes que abrigam três milhões de livros.

    A feira fez sua estreia em Kuala Lumpur em 2009, passou a visitar regularmente cidades asiáticas como Jacarta, Manila, Cebu, Colombo, Bangcoc e Taipei.

    79413518_The Big Bad Wolf Book Sale which calls itself the world%27s biggest opens its doors to vi.jpg

    Os organizadores esperam atrair até 300 mil visitantes durante 11 dias em Dubai. O fundador do evento, Andrew Yap, disse acreditar que a enorme quantidade de livros sozinha atrairá clientes.

    "Em um mercado maduro como Dubai, isso dará variedade aos leitores", disse à Reuters.

    79413512_Visitors read books at the Big Bad Wolf Book Sale which calls itself the world%27s bigges.jpg

    Roudha Al Marri, autora de um livro sobre a vida nos Emirados Árabes Unidos, que está à venda na feira, disse que uma cidade como Dubai precisa de eventos como esse para ajudar a incentivar a leitura entre a "geração tablet".

    "Segurar um livro, cheirá-lo, levar-nos de volta a dias mais belos, lançar-nos em um labirinto de histórias. Toda geração precisa disso", disse.

    79413510_The Big Bad Wolf Book Sale which calls itself the world%27s biggest opens its doors to vi.jpg


    0 0

    Conteúdo exclusivo para assinantes, acesse no site do globo.

    0 0

    Conteúdo exclusivo para assinantes, acesse no site do globo.

    0 0

    Conteúdo exclusivo para assinantes, acesse no site do globo.

older | 1 | .... | 1009 | 1010 | (Page 1011) | 1012 | 1013 | .... | 1056 | newer